MAIS NOTÍCIASSurf

Kikas prepara regresso do circuito mundial

O surfista português Frederico Morais está preparado para voltar a competir no circuito principal da Liga Mundial de Surf (WSL), que recomeça na Austrália, depois de mais de três meses de paragem forçada devido à pandemia.

«Sem dúvida que é ótimo voltar aos campeonatos. Já tinha bastantes saudades. Tivemos um sabor do que seria voltar, no Havai, em dezembro, mas depois, infelizmente, não se conseguiu realizar as outras etapas», disse à Lusa o único atleta luso que integra a elite mundial do surf.

Depois de cumprir a quarentena obrigatória imposta a todos os surfistas que viajaram para a Austrália para o reatamento do circuito mundial, e de voltar aos treinos no mar, Frederico Morais, também conhecido por Kikas, espera que as quatro etapas australianas se realizem sem constrangimentos provocados pela covid-19.

«Parece que agora, aqui, na Austrália, vai correr tudo bem. Temos o primeiro campeonato a começar na quinta-feira [ainda na quarta-feira à noite, em Portugal, dado os fusos horários], e depois temos mais três campeonatos aqui na Austrália ainda. Se deus quiser, tudo isso irá acontecer e vamos conseguir ganhar algum ritmo e voltar a ter o nosso tour [circuito], que é o mais importante, sem dúvida alguma», assinalou.

Questionado sobre os objetivos que tem para a primeira prova da perna australiana, em Newcastle, Nova Gales do Sul, Frederico Morais sublinhou que as suas «expectativas são sempre boas» e que o mais importante é passar essa confiança para a competição.

«O trabalho foi feito, o treino foi feito, eu sinto-me bem, psicologicamente, fisicamente, e tecnicamente em termos de surf. Tem tudo para dar certo. Agora, é ir confiante e acreditar num bom resultado», lançou o surfista de 29 anos.

Ainda assim, Kikas apontou a necessidade de adaptação dos atletas face a um ano atípico por causa da pandemia de covid-19, que já fez cair as etapas de Sunset (Havai), em janeiro, e de Santa Cruz (Estados Unidos), em fevereiro, tal como tinha acontecido anteriormente com a paragem portuguesa, em Peniche, originalmente agendada para fevereiro.

«Não quero criar grandes expectativas. Acho que é um ano para se pensar heat [bateria] a heat, vai ser um ano completamente diferente, com etapas completamente diferentes, e nós temos de nos adaptar também», sublinhou.

O surfista do Guincho vai enfrentar o sul-africano Jordy Smith e o australiano Matt Banting na quarta bateria ronda inaugural do Rip Curl Newcastle Cup e, apesar de não esperar facilidades, acredita que pode avançar na prova.

Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo