DESTAQUEFutebol

Treinador com agressão a árbitro durante jogo sub-11

A partida entre o Juventude e o Bairro da Argentina, do escalão sub-11, terminou com agressões do técnico do último clube ao árbitro, que pertencia à equipa adversária, método adotado no futebol de formação na Madeira.

O jogo terminou com o delegado da equipa do Juventude, Orlando Fiqueli, que cumpria o papel de árbitro no encontro, a necessitar de cuidados hospitalares.

“Calhou-me a mim arbitrar o jogo. Quando é em casa, estamos incumbidos de tudo o que é o processo de arbitragem, é o método utilizado aqui na Madeira”, começou por explicar o delegado do escalão sub-11 do Juventude à Agência Lusa, frisando “que sempre correu tudo bem”.

Orlando Fiqueli afirmou que o comportamento violento por parte do treinador da equipa adversária surgiu “no momento em que o Juventude viu-se a ganhar”, descrevendo-o como “um ato completamente bárbaro”.

Uma contusão na coluna cervical, uma entorse na mão direita e ainda os “olhos esfolados”, são as lesões que constam no relatório médico, segundo o delegado do Juventude.

“Também houve pontapés por parte dos atletas, mas, sobre esse aspeto, o que tenho a dizer é que as crianças acabam por ser um reflexo do contexto em que estão inseridas, e aquele contexto não promove o desporto e os valores que estão inerentes ao mesmo”, declarou o delegado, de 25 anos, licenciado em nutrição e desporto.

Orlando Fiqueli apresentou queixa e garantiu ir “até às últimas instâncias”, recusando-se a deixar “passar em branco” esta situação, para que no futuro “não seja ainda mais grave do que foi hoje”.

O presidente do ADCR do Bairro da Argentina, Marco Freitas, sublinhou que “foi aberto um processo de averiguação interno”, que está a cargo do departamento jurídico do clube.

O líder do clube madeirense, que condena todos os atos de violência dentro ou fora do desporto, principalmente num “cenário de desentendimento diante de crianças”, diz estar a assistir a um “linchamento público por parte de pessoas que nem estavam no local, nem têm em sua posse todos os dados”.

O dirigente confirma que há um arrependimento por parte do técnico, mas relembra “que isto não tem só um lado”, enfatizando que “não há desculpa para o que aconteceu, mas que a pessoa em questão está profundamente arrependida”, reconhecendo o comportamento exemplar do treinador, que “sempre tratou os seus atletas como filhos”.

A equipa do Bairro da Argentina será seguida por um psicólogo da estrutura, que “irá acompanhar as atividades semanais habituais daquelas crianças, para ver se existe alguma questão que necessite de apoio nessa vertente”, declarou o dirigente.

O presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), Luciano Gonçalves, considera “chocante e vergonhoso”, independentemente de se tratar de um árbitro oficial ou não.

Escrito por: José Carlos Leal

Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo