DESTAQUEFutebol

Benfica e a saída do presidente da MAG Luís Nazaré

O Benfica confirma não só a renúncia do presidente da Mesa da Assembleia Geral (MAG), Luís Nazaré, como também que, na origem da mesma, estiveram discordâncias relativas ao formado da próxima reunião-magna do clube.

A direção encarnada assume que existe um “entendimento unânime” de que a Assembleia Geral “exige a comparência física dos sócios», e por isso defendia uma solução mista.

“A realização de uma Assembleia Geral presencial, a par da participação virtual de quem assim o entendesse, seria, no entendimento da Direção, a única forma de permitir, também, a participação de todos quantos pretendessem exercer o seu direito na própria Assembleia e nela apresentar eventuais propostas ou intervir na discussão destas, faculdade que, de outro modo, estaria vedada a todos aqueles que não quisessem ou não pudessem (ex. por falta de recursos ou meios eletrónicos) participar em formato exclusivamente virtual”, refere o comunicado.

A direção encarnada garante que, ainda assim, colocou todos os meios à disposição da Mesa da Assembleia Geral, para que fosse realizada a reunião em modo exclusivamente virtual, mas que Luís Nazaré acabou por decidir abandonar o cargo.

Na carta de renúncia, o presidente demissionário da MAG justifica a decisão com uma “insuperável incompatibilidade de posições com a direção acerca do formato e do sistema de sufrágio da próxima AG do clube”.

Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo