DESTAQUEJogos Olímpicos Tóquio 2020

Três atletas guineenses apurados para os Jogos Olímpicos

A Guiné-Bissau tem já qualificados três atletas para os Jogos Olímpicos Tóquio2020 e espera ainda apurar outros dois, disse hoje à agência Lusa o presidente do Comité Olímpico do país, Sérgio Mané.

Os lutadores Augusto Midana, nove vezes campeão africano e presente nos últimos três Jogos, tendo como melhor resultado o sétimo lugar em Londres2012, e Diamantino Fafé já asseguraram as presenças nas competições de -74kg e -54kg, respetivamente, assim como a judoca Taciana Baldé (-48 kg).

De acordo com Sérgio Mané, podem juntar-se à Missão guineense o lutador Mbunde Imbali, que vai tentar o apuramento para a prova de -74 kg, em maio, na Bulgária, e a atleta do Sporting Jessica Inchude, no lançamento do peso, que foi 36.ª no Rio2016.

O presidente do Comité Olímpico da Guiné-Bissau assumiu à Lusa ter “muita expectativa” de que o país, “finalmente, vá alcançar uma medalha olímpica”, pela forma como os três atletas se qualificaram.

A esperança de Mané reside na judoca Taciana Lima, “pela forma como se tem vindo a bater após a maternidade”, no jovem Diamantino Fafé, “que aos 20 anos, ainda júnior, qualificou-se de forma fulgurante” para os Jogos Olímpicos e no experiente Augusto Midana, “que já vai na sua quarta participação”.

O dirigente reconhece Augusto Midana “como um verdadeiro herói da Guiné-Bissau”, por ser, disse, nove vezes campeão africano da sua categoria.

O presidente do Comité Olímpico guineense adiantou à Lusa que o Governo vai atribuir uma distinção a Midana e Fafé pelo apuramento olímpico, o que será convertido ao equivalente a cinco mil euros para cada um.

Midana, de 35 anos, reconheceu a possibilidade de alcançar uma medalha, apelando a uma “preparação rigorosa num país com outras condições de treino que não Bissau”, onde o Comité Olímpico conta realizar a preparação dos atletas.

O atleta, que ainda vive na sua aldeia de Sucuto, em Nhacra, a cerca de 30 quilómetros de Bissau, pediu “outro tratamento” para um atleta que já representou a Guiné-Bissau três vezes e vai para quarta participação olímpica.
Instado pela Lusa a explicar o que significa “outro tratamento”, Midana disse ser possível “lutar e ganhar em nome da Guiné-Bissau”, desde que tenha o pensamento focado apenas nos jogos, sem se preocupar com a família em Sucuto, mesmo estando no Japão.

Sobre Diamantino Fafé, a nova ‘coqueluche’ guineense na luta, que venceu o torneio de apuramento para África e a Oceânia, que decorreu na Tunísia, já este mês, o ‘veterano’ Midana disse esperar “grandes feitos” e não vê ninguém da sua categoria capaz de o derrotar em África.

Fafé venceu a competição ao derrotar o argelino Abdelhak Kherbache, por 4-2, na final, depois de ter superado o marroquino Chakir Ansari, por 10-0, nas meias-finais, o nigeriano Ebikewenimo Welson, por 6-5, nos quartos de final, e o egípcio Gamal Mohamed, por 6-1, no primeiro combate.

Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo