Polícia britânica acusada de racismo por atleta português

O atleta português Ricardo dos Santos acusa a polícia britânica de racismo depois de ter sido mandado parar em Londres, onde vive com a família.
No sábado, o atleta do Benfica preparava-se para ir para casa, quando, devido ao trânsito e a cinco minutos do local, resolveu mudar o trajeto, com a mulher e o filho de três meses no carro, num percurso que acabou com uma perseguição pela polícia.

“Disse [à mulher] que estávamos a ser seguidos, não nos mandaram parar logo”, acrescentou o atleta, explicando que, depois, a sua mulher, a também velocista Bianca Williams, começou a filmar o que se estava a passar.

No momento em que parou o carro à porta de casa, Ricardo dos Santos e Bianca Williams foram obrigados a sair, num incidente em que o atleta português acusa a polícia de ter tirado os bastões e de o acusar de cheirar a canábis, antes de o algemar.

“Quando chegaram perto de mim, estavam prontos para bater. Tiraram o bastão, tiraram-me o telemóvel e atiraram-me contra a parede. Gritei que tinha dores e eles disseram que eu cheirava a canábis”, contou o atleta à Lusa.

Ricardo dos Santos assegurou aos polícias que estava limpo, que nunca fumou, que era um atleta profissional e que, se quisessem, lhe fizessem um teste, depois de as autoridades indicarem que iriam chamar uma equipa cinotécnica para detetar drogas, o que não aconteceu.

Após estas acusações, o velocista foi ainda acusado de conduzir acima da velocidade permitida, o que Ricardo dos Santos nega, acrescentando que nem sequer foi multado, o que aconteceria se fosse verdade.”

Um vídeo filmado pelo telemóvel de Williams mostra os polícias a rodear o carro armados com bastões e um martelo para partir a janela e a puxar o casal com violência para fora do carro e a decretar ordem de prisão.

Partilhar