Decisão de instrução do processo de Rui Pinto adiada para sexta-feira

O Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa decidiu adiar para a próxima sexta-feira, 17 de Janeiro, a decisão sobre se o hacker Rui Pinto vai, ou não, a julgamento.

O gaiense, de 30 anos, está acusado de 147 crimes, entre os quais 74 crimes de acesso ilegítimo. Mas, esta segunda-feira, a juíza Cláudia Pina considerou que, em causa, poderão estar apenas seis – o ataque ao fundo de investimento Doyen, ao Sporting, à Procuradoria-Geral da República, à Federação Portuguesa de Futebol, à Plataforma Score e à sociedade de advogados PLMJ.

Os restantes devem, no entender da magistrada, ser convertidos em acesso indevido, por não ter existido a violação de sistemas informáticos mas sim de caixas de correio eletrónico.

A defesa de Rui Pinto pediu prazo para se pronunciar e o tribunal deu-lhe 48 horas para tal. E agendou nova sessão para sexta-feira, 17 de janeiro, às 14 horas.

A abertura da instrução, fase facultativa que visa decidir se o processo segue e em que moldes para julgamento, foi requerida pela defesa dos dois arguidos no processo: Rui Pinto e o seu advogado, à data dos factos, Aníbal Pinto, acusado de intermediar a tentativa de extorsão, de entre 500 mil euros a um milhão de euros, ao fundo de investimento Doyen.

Partilhar