Van Dijk esteve às portas da morte

Virgil van Dijk foi eleito Melhor Jogador a atuar na Europa pela UEFA, depois de levar a melhor sobre Ronaldo e Messi. O central holandês disputou ainda com Cristiano Ronaldo e Lionel Messi o galardão de Melhor de 2018/2019, atribuído pela FIFA ao argentino Tido como o melhor defesa central da atualidade, a história de Virgil van Dijk podia ter sido bem diferente . Aos 21 anos, p atual jogador do Liverpool esteve a lutar entre a vida e a a morte e até fez o seu testamento. Quando representava o Groningen da Holanda em 2012, van Dijk teve de ser internado de urgência num hospital, onde lhe foi diagnosticado apendicite, peritonite (inflamação no tecido do abdómen) e infeção renal. A situação era tão grave que o jogador podia morrer a qualquer instante. “Só via tubos à minha volta. O meu corpo estava partido e não podia fazer nada. Nesse momento, todos os piores cenários estavam a passar-me à frente. Pela primeira vez na minha vida, o futebol não significou nada para mim. Só queria sobreviver. Eu e a minha mãe só rezávamos todos os dias e chegámos mesmo a discutir vários cenários”, revelou o holandês numa entrevista à ‘FourFourTwo’.
A verdade é que o jogador acabou por ser salvo pela mãe, que ligou de urgência para uma ambulância. Três dias antes, van Dijk começou a queixar-se de uma dor no fundo do abdómen mas ignorou os sinais. Depois acabou por se dirigir ao hospital onde não ficou internado. Mas como a situação clínica estava a piorar, a mãe obrigou o jogador a ir a outro hospital.”A minha vida estava em risco. Eu e a minha mãe rezávamos e discutíamos cenários possíveis. Tive de assinar alguns papéis, um testamento. Se morresse, uma parte do meu dinheiro iria para a minha mãe. Claro que ninguém queria falar sobre isto, mas teve de ser. Podia ter sido o fim”, recordou o defesa do Liverpool à revista ‘FourFourTwo’. O jogador, atualmente com 28 anos, recuperou dois meses depois, após algumas intervenções cirúrgicas.

Partilhar