Pedro Proença quer mais e melhor para a Liga Portugal

Pedro Proença tomou posse, esta sexta-feira, para mais um mandato como presidente da Liga de Clubes. No seu discurso, na sede da Liga, no Porto, Proença mostrou-se satisfeito com o sucesso do primeiro mandato, mas projeta um caminho de mudança nos próximos quatro anos.

Pedro Proença assume mais um mandato com confiança e empenho


“Há quatro anos, lancei o repto aos clubes para se unissem num objetivo comum, e para que recordassemos esse dia como o início de uma jornada, e do quão longe já chegámos. E assim foi. O caminho não terminou, conseguimos algum sucesso, de todos. Hoje começa um capítulo de mudança, temos de nos elevar e caminhar para o futuro sem olhar para o pasado”, disse.

O antigo árbitro foi reeleito com a esmagadoria maioria de 95,83% dos votos. Apenas o Marítimo não marcou presença na eleição, com a ausência devidamente justificada por motivos de saúda do presidente. Dos 48 votos possíveis, Proença, o único candidato, angariou 46 votos.

Pedro Proença agradeceu todo o apoio esperando fazer mais e melhor


Proença agradeceu a confiança dos clubes, e projeta um futuro virado para a internacionalização da Liga Portugal.

Pedro Proença agradece confiança de Clubes e Parceiros da Liga Portugal


“Apresento-me aqui com humildade e gratidão pela confiança depositada em mim. Queremos afirmar a Liga como uma das mais importantes da Europa, valorizando a vertente económica e desportiva. Temos vários desafios, queremos credibilizar as nossas competições, valorizar o espetáculo dentro e fora dos estádios, e apostar em definitivo na internacionalização. Queremos apostar na vertente tecnologica como alavanca da verdade desportiva”, adicionou.

O presidente, que desempenhará a função até 2023, destaca ainda o que já foi feito, em parceira com a Federação Portuguesa de Futebol, durante o primeiro mandato.

Pedro Proença quer continuar a ter o apoio da Federação

“Uma palavra à FPF, que foi intérprete das nossas dificuldades. Quando chegamos, era claro que era preciso um plano estratégico. Um conjunto de medidas para aumentar a competitividade, um modelo justo de distribuição de receitas, introduzir novas tecnologias no futebol, um modelo baseado na meritocracia, e adotar as práticas de sucesso de outras ligas” , rematou.

Partilhar