João Sousa sobe ao 26.º lugar do “ranking” mundial de pares

João Sousa ascendeu, na atualização desta segunda-feira, ao 26.º posto do “ranking” ATP de pares, ao subir três lugares. Esta é a melhor classificação de sempre de um português nesta vertente do ténis.

Foi mais um resultado num grande torneio de pares, com a chegada às meias-finais do Masters 1000 de Madrid, que valeu a João Sousa a escalada de três posições no “ranking”, ficando às portas do “top-25”.

Também foi de três posições a subida do vimaranense na classificação de singulares, para o 72.º posto. João Sousa continua a ser o melhor português, seguido por Pedro Sousa, que caiu 15 degraus, para 120.º.

João Domingues, que venceu o Challenger de Braga, depois de, na semana anterior, ter chegado aos “quartos” do Estoril Open, continua a subir e já é 163.º, máximo de carreira, fruto de escalada de 22 lugares.

Por outro lado, Gonçalo Oliveira caiu seis lugares e é 265.º. Sentido inverso ao de Frederico Silva, que com uma ascensão de oito postos passa a ser 326.º da hierarquia. Gastão Elias caiu 28 lugares e é 335.º.

No topo, não há alterações no pódio, mas o “top-10” entrou em rebuliço. Dominic Thiem subiu ao quarto lugar, por troca com Alexander Zverev, que é agora quinto. Kei Nishikori passa a ser o número seis mundial, enquanto Kevin Anderson perdeu duas posições e passa a ser oitavo. Marin Cilic reentrou no “top-10” e Del Potro caiu para nono.

Contudo, o grande destaque vai para Steganos Tsitsipas, vencedor do Estoril Open. O grego, de 20 anos, chegou à final do Masters 1000 de Madrid, em que foi derrotado por Novak Djokovic, o que lhe permitiu escalar dois degraus e passar a ser o número sete do ténis mundial.

Conforme referido, Djokovic continua a liderar o “ranking” ATP, seguido do espanhol Rafael Nadal e do suíço Roger Federer.

Partilhar