UEFA dá nota positiva à estreia do VAR na Liga dos Campeões

O responsável máximo pela arbitragem da UEFA, Roberto Rosetti, considera que o videoárbitro (VAR) “funcionou na perfeição” em todos os estádios que acolheram os oitavos de final da Liga dos Campeões.

O VAR foi implementado, pela primeira vez, na principal prova de clubes europeia, esta época, a partir dos oitavos de final. Rosetti gostou do que viu, na estreia da tecnologia.

“Fiquei muito feliz com a forma como o VAR foi implementado. A tecnologia funcionou na perfeição e as equipas de arbitragem exibiram-se a grande nível. O esforço todo que investimos transpareceu”, afirmou o antigo árbitro italiano, em declarações reproduzidas no site da UEFA.

O VAR foi chamado a intervir aos 19 minutos do jogo do FC Porto no terreno da Roma, devido a uma mão na bola de Pepe. O lance ocorreu perto da área, mas o árbitro não assinalou qualquer falta.

Rosetti explicou a situação: “Uma verificação posterior do VAR mostrou que o incidente tinha sido fora da área, logo o VAR não interveio e a jogada, corretamente, continuou. Decisão em linha com o protocolo, que só permite que o VAR intervenha em quatro situações”.

O videoárbitro só pode agir em casos de potencial grande penalidade, possível expulsão, validação ou anulação de um golo, e troca de identidade.

Também o golo de Adrián López, aos 79 minutos, que reduziu a derrota do FC Porto para 2-1, foi verificado pelo videoárbitro, que determinou que não havia fora-de-jogo. O golo foi validado, dando esperança à equipa portuguesa para a segunda mão, que se jogará no Dragão, a 6 de março.

A primeira intervenção do VAR foi no Ajax 1-2 Real Madrid, com a invalidação de um golo aos holandeses. A decisão criou polémica, mas Rosetti defendeu-a, dizendo que “um jogador estava em fora-de-jogo e a interferir com o guarda-redes, impedindo-o de jogar a bola na altura em que o cabeceamento [que deu golo] foi feito”.

“A decisão foi em linha com o protocolo do VAR e o golo foi corretamente anulado, e um foi assinalado um livre indireto por fora-de-jogo”, explicou Rosetti, que desvalorizou o tempo – três minutos – que a decisão demorou a ser tomada, mas prometeu melhorias: “O mais importante é que o árbitro tomou a decisão certa. Acerto é mais importante que velocidade. Ainda assim, queremos ser o mais eficientes possível e tentaremos melhorar esse aspeto no futuro.”

Houve, também, um lance que chamou à atenção, no jogo entre Manchester United e PSG, que terminou com vitória dos parisienses, por 0-2. O auxiliar demorou a levantar a bandeirinha, numa situação de fora-de-jogo do PSG.

Rosetti aplaudiu a atitude: “Neste caso, o árbitro assistente atrasou corretamente o levantamento da bandeirinha, já que era uma situação de fora-de-jogo apertado e uma clara oportunidade de golo. Isto foi em linha com o protocolo do VAR, que encoraja os assistentes a esperar para levantarem a bandeirinha quando um jogador está prestes a marcar, uma vez que a decisão pode ser revista se o golo for marcado.”

O VAR será utilizado durante o resto da Liga dos Campeões, assim como na final da Liga Europa, na Supertaça Europeia, na “final four” da Liga das Nações e no Europeu de sub-21.

Partilhar