100ª vitória da Citroën no WRC com assinatura de Ogier e Julien Ingrassia

Verdadeiros heróis, nesta última Etapa, a bordo do seu C3 WRC, Sébastien Ogier e Julien Ingrassia sagraram-se vencedores desta edição do Monte-Carlo com a mais curta diferença de tempo de sempre da história do Rali.

Um sinal da intensidade da batalha vivida, bem como do nível de performance apresentado, e que permitiu à Citroën Racing conquistar a sua centésima vitória no WRC logo no arranque do ano em que também celebra o seu centenário.

Atacar os últimos 13,58 quilómetros de um Monte-Carlo que totaliza quase 324 km e com apenas quatro décimos de avanço, requer muito sangue-frio.

Ainda mais, quando um problema no pedal do acelerador vem perturbar a concentração no habitáculo. Com seis títulos mundiais no ativo, Sébastien Ogier e Julien Ingrassia são mestres na gestão deste tipo de situações, carregadas de adrenalina, e hoje deram, mais uma vez, provas disso mesmo. Autores do segundo melhor tempo nesta última especial desenhada entre La Cabanette e Col de Braus, os franceses arrebataram, com 2,2 segundos de vantagem, a sua sétima vitória no Principado (a sua sexta vitória consecutiva no rali), logo na sua estreia com o C3 WRC. Este resultado torna-os também co-recordistas no que respeita ao número de vitórias nesta prestigiada prova, e confirma também que Sébastien e Julien estão já em total sintonia com a sua nova montada.

Totalmente conscientes das armadilhas que surgem ao longo de um rali como Monte-Carlo, a dupla tricolor adotou, de imediato, uma abordagem ponderada, posicionando-se no segundo lugar nos dois troços noturnos de quinta-feira. Antes de assumir o comando na tarde do dia seguinte (ES 7), graças, principalmente, à obtenção de dois melhores tempos (ES 5 et 6) nas especiais inéditas de Curbans – Piegut (18,47 km) et Valdrome – Sigottier 2 (20,04 km). Com 2 segundos de vantagem na noite de sexta-feira, Sébastien e Julien fizeram mais do que duplicar o seu capital em Agnières en Devoluy – Corps (29,82 km), a primeira Especial de sábado e a mais longa do fim de semana, isto apesar da abundância de gelo nas estradas. Uma vantagem que, de seguida, passaram a gerir no ataque à última jornada, com 4,3 segundos de margem. Na curta Epata final de domingo, lutaram de perto com os seus rivais diretos e acabaram por impor a sua vitória nas últimas centenas de metros cronometrados.

Por seu lado, embora forçados a abandonar na manhã de sábado devido a problemas no motor, Esapekka Lappi e Janne Ferm fizeram, ainda assim, um incício de corrida bastante promissor, assegurando um belo quarto lugar na noite de quinta feira. Claramente, a Citroën Total WRT tomou a opção certa ao decidir trazer esta dupla escandinava para a sua equipa de pilotos, juntamente com Sébastien Ogier e Julien Ingrassia. Dado que devem contar com um bom lugar na ordem de partida na Suécia, Lappi e Ferm serão, sem dúvida e mais uma vez, uma força a ter em conta.

Partilhar