A Sporting SAD afirmou, esta terça-feira, que a realização de assembleia de accionistas ou de assembleia geral, quer para destituição, quer para eleição, dos órgãos sociais, poderá colocar em risco a emissão obrigacionista, no valor de 30 milhões de euros, atualmente em curso.

"As recentes tomadas de posição públicas por terceiros vêm prejudicar gravemente a concretização da nova oferta obrigacionista; com efeito, a realização de uma possível assembleia de accionistas da Sporting SAD ou uma assembleia geral de sócios do SCP, quer para destituição dos seus órgãos sociais, quer para eleição de novos órgãos sociais, impediria a concretização atempada da referida nova oferta obrigacionista, desta forma colocando em causa os fins da mesma, concretamente o reembolso da actual emissão, e, consequentemente, a estabilidade financeira da Sporting SAD", pode ler-se, em comunicado à CMVM. 

"Tais declarações públicas foram, por isso, extemporâneas e lesivas, até atendendo aos resultados financeiros positivos no clube e na Sporting SAD; nestes termos, não existem quaisquer motivos para as declarações e pretensões formuladas", assinala a SAD, que avisa que a polémica em torno do clube tem "influência negativa na valorização da sociedade desportiva, pelos efeitos negativos no valor das acções da mesma". 

Segundo a SAD leonina, no mesmo comunicado, a nova emissão obrigacionista, "que poderá ser aumentada por opção da Sporting SAD, face à procura que se estimava viesse a ocorrer, prevista ocorrer em Maio de 2018", trata-se de operação "fundamental para o cumprimento de compromissos financeiros da Sporting SAD, máxime o reembolso do empréstimo obrigacionsta emitido em 2015, com vencimento em Maio de 2018, e ainda o financiamento de operações de tesouraria da SAD".

Dada emissão advém da negociação, com sucesso e liderada por Bruno de Carvalho, de "uma nova reestruturação financeira, em condições favoráveis para a Sporting SAD, ajustadas à estratégia de investimento e de valorização de activos", que a atual administração tem seguido.

Tudo isto tem uma consequência, conforme dita o comunicado da Sporting SAD: "Dando cumprimento às incumbências estatutárias para as quais foi eleito, o Conselho de Administração irá solicitar ao presidente da mesa da assembleia geral da Sporting SAD que promova a convocatória de uma assembleia geral de acionistas da Sporting SAD a fim de deliberar sobre a emissão da referida nova oferta obrigacionista."

O comunicado anuncia, ainda, que, "de modo a minimizar o impacto negativo para a Sporting SAD das posições públicas de terceiros, pelo atraso e consequências susceptíveis de provocar na nova emissão obrigacionista", o Conselho de Administração solicitará a Jaime Marta Soares, presidente da mesa da AG, "que promova a convocatória de uma assembleia geral de obrigacionistas, no âmbito da oferta obrigacionista emitida em 2015, a fim de deliberar sobre a prorrogação do prazo de reembolso final desta emissão, para nunca antes de Novembro de 2018".

 

Newsletters

Subscreva gratuitamente as newsletter e receba o melhor da actualidade desportiva e as nossas promoções.