O Real Madrid ofereceu 214 milhões de euros ao Mónaco por Kylian Mbappé em 2017, segundo revela o "Football Leaks", através do jornal francês "L'Équipe" e da revista alemã "Der Spiegel".

No verão de 2017, Mbappé trocou o Mónaco pelo Paris Saint-Germain, por empréstimo com cláusula de compra obrigatória na época seguinte, por 180 milhões de euros. Contudo, a novela podia ter terminado de forma bastante distinta. A 20 de julho, os monegascos chegaram a acordo com o Real Madrid para uma transferência de 180 milhões de euros, em que se incluíam 30 milhões de bónus, mais 34 milhões em impostos que o clube espanhol aceitou pagar. Ao todo, um investimento de 214 milhões de euros.

Porém, Mbappé preferiu continuar em França e rumar ao PSG, apesar de o Mónaco ficar desagradado com a possibilidade de reforçar um rival. Ainda assim, o negócio concretizou-se no último dia da janela de transferências, pelo mesmo valor base que o Real oferecia: 180 milhões. Deste montante, 145 milhões eram fixos e 35 milhões eram de bónus. Isto quando os parisienses tinham acabado de pagar 222 milhões de euros ao Barcelona por Neymar.

De acordo com o jornal espanhol "Marca", as negociações do Real Madrid com o entorno de Mbappé decorreram em Los Angeles. O pai do jogador comunicou ao presidente do clube, Florentino Pérez, que aceitaria a proposta se o filho auferisse 30 milhões de euros. O Real Madrid deu um passo atrás. Mbappé já tinha exigido ao Mónaco que o elevassem ao mesmo degrau salarial de Radamel Falcao, que cobra oito milhões de euros líquidos por temporada. Seria uma multiplicação por 16 e uma exigência a que o clube do Principado não estava disposto a aceder.

O PSG mostrou-se mais flexível com Mbappé. Aceitou pagar-lhe um prémio de assinatura, de cinco milhões de euros em duas prestações durante as duas primeiras temporadas, e um salário anual de dez milhões de euros livres de impostos. Porém, segundo o "Football Leaks", os parisienses negaram um prémio por vencer a Bola de Ouro - Mbappé queria passar a ganhar 30 milhões de euros caso conquistasse o galardão, o que o converteria no jogador mais bem pago do plantel. Em vez disso, o jovem avançado receberá um prémio de 500 mil euros.

O "Football Leaks" revela que o PSG recusou incluir uma bonificação caso fosse excluído da Liga dos Campeões por "défice excessivo". Mbappé também terá pedido 50 horas por ano de jet privado, que o clube recusou. Contudo, deu-lhe um mordomo, um motorista e um segurança privado.

 

Newsletters

Subscreva gratuitamente as newsletter e receba o melhor da actualidade desportiva e as nossas promoções.