O diretor da Associação Feminina de Ténis, Steve Simon, defendeu Serena Williams na acusação de sexismo ao árbitro português Carlos Ramos, que a penalizou na final do US Open.

Na partida decisiva, que coroou Naomi Osaka com o seu primeiro título do Grand Slam, Serena Williams foi penalizada por ter recebido indicações do seu treinador. A tenista norte-americana discordou e acusou o árbitro português de "ladrão e mentiroso".

Face aos insultos da tenista norte-americana, o árbitro Carlos Ramos penalizou Serena com um jogo.

O diretor do circuito feminino acredita que não houve um tratamento igual às "emoções expressas por homens e mulheres".

“A final mostrou como há formas diferentes de as regras serem aplicadas a mulheres e homens. A WTA acha que não deve haver diferença na tolerância no que à expressão de emoções de diferentes sexos. Consideramos que na final não houve essa igualdade”.

Já depois da final, Serena foi multada em 17 mil dólares por ter violado três códigos de conduta.

Newsletters

Subscreva gratuitamente as newsletter e receba o melhor da actualidade desportiva e as nossas promoções.